Colegio Objetivo - Jardim Japão





Não há vagas para deficiente.


Começando com esse novo marcador de postagens em meu blog (Não há vagas para PDF's), pois tenho sofrido na pele esse problema como nunca depois que passei a utilizar a cadeira de rodas. Resolvi falar sobre o colégio Objetivo, (pelo menos a unidade que conheço) que fica na Avenida Conceição, 4629 - Jardim Japão, São Paulo, pois já estive duas vezes lá e nada mudou. Nada contra os professores e alunos, são pessoas excelentes e carinhosas que me receberam com grande carinho, mas com a administração ou proprietários que mantém uma unidade de ensino voltada para pessoas sem nenhum problema de mobilidade, desprezando aos portadores de deficiência física. Já tive que subir até o último andar,
no salão de jogos ou quadra carregado por amigos, funcionários ou pais de alunos nessas duas vezes que estive trabalhando por lá; isso é um tanto quanto constrangedor. Também no quesito banheiro, o local deixa muito a desejar, eles são amplos e normais, mas bem que poderia ter um espaço reservado para as pessoas que tem problema de mobilidade, pelo menos uma porta mais ampla em algum dos acessos para os vasos sanitários. Uma porta mais ampla e umas barras de apoio pelo menos em dos vasos seria o mínimo que se poderia esperar. Será que entre os seus frequentadores, (pelo menos nos dias de festas e eventos) tem um único deficiente físico ou idoso neste lugar? Tem sim: "Neste sábado, dia 14 de Junho de 2014, eu fiquei o dia todo lá tocando e animando a festa. Durante esse período que estive lá um garoto, pelo que parece aluno, apareceu e estava com um problema em uma das pernas e usava duas muletas canadense. Imagino o trabalho que o pobre garoto teve para subir até a quadra de futebol, provavelmente seu pai o deve ter carregado."

É incrível e ate mesmo inadmissível que ainda existam lugares assim em nosso país, mas existem aos montes. Não é apenas um problema de desrespeito a uma lei federal, mas sim, um completo pouco caso com as pessoas, sejam elas sem ou com algum tipo de problema de locomoção. Lembrando que existem idosos e que, nada diz ou deixa claro que, talvez algum dia, qualquer um não possa vir a ter um problema para frequentar esses estabelecimentos, alunos ou não. 

A lei garante o direito a acessibilidade e a locomoção das pessoas, mas os empresários que só visam o lucro a ignoram completamente, quando isso irá mudar? Tá difícil, ainda muito distante o tempo que os direitos do cidadão serão respeitados. 

Na verdade acho que esse direito só será realmente respeitado, quando ninguém precisar da lei, quando o ser humano for considerado como um bem humano e não como mais uma probabilidade de dar lucro a empresa.

Segue aqui um link para a lei que garante o direito a acessibilidade, clique aqui para ler ou pesquise no Google clicando aqui.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Manual da maquina de ritmos Alesis SR 16

Tábua de transferência

Sete anos usando Macintosh